Páginas

terça-feira, 28 de dezembro de 2010

FORÇA PARA VIVER

Temos experimentado algo maravilhoso e muito saudável vindo do Espírito Santo em São Lourenço, Minas Gerais. Somos 300 amigos e irmãos que se reúnem aqui em São Lourenço, no sul de Minas, buscando uma vida com Deus, e nesta busca, temos encontrado satisfação e alegria. Todos nós somos um ser formado por três partes distintas: espírito, alma e corpo.

E estas três partes, que constituem o ser humano, precisam de cuidados especiais e devemos alimentá-las de maneira equilibrada e saudável. Alimentação saudável, atividade física, controle do peso, enfim, práticas que precisamos desenvolver para manter a saúde do nosso corpo perfeita. No que se relaciona a alma, que é subdividida em mente, vontade e emoção, também precisamos suprir suas necessidades básicas tais como:
• Tenham sempre alegria, unidos com o Senhor! Repito: tenham alegria!
• Sejam amáveis com todos. O Senhor virá logo.
• Não se preocupem com nada, mas em todas as orações peçam a Deus o que vocês precisam e orem sempre com o coração agradecido.
• E a paz de Deus, que ninguém consegue entender, guardará o coração e a mente de vocês, pois vocês estão unidos com Cristo Jesus.
• Por último, meus irmãos, encham a mente de vocês com tudo o que é bom e merece elogios, isto é, tudo o que é verdadeiro, digno, correto, puro, agradável e decente.

Deus quer que a vida de Cristo venha a ser nossa força.
A Palavra de Deus é a vida do nosso corpo: "Não só de pão viverá o homem, mas de toda palavra que procede da boca de Deus" (Mt 4.4). Isso prova que a Palavra de Deus é capaz de sustentar nosso corpo. Falando naturalmente, o homem vive de pão, mas quando a Palavra de Deus emite seu poder, podemos viver por ela também.

Contemplamos, aqui, as duas maneiras de viver: a natural e a sobrenatural. Deus não diz que de agora em diante não precisamos comer. Ele simplesmente revela que sua Palavra pode conceder-nos uma vida que não provém do alimento. Quando o alimento não consegue produzir o efeito desejado em nosso corpo, sua Palavra pode dar-nos aquilo de que precisamos.

Alguns vivem só de pão; outros, pelo pão e pela Palavra de Deus. O pão às vezes falha; a Palavra de Deus, nunca. Deus coloca sua vida na Palavra. Como ele é vida, assim também é a sua Palavra. Se considerarmos a Palavra de Deus como um ensinamento, crença ou padrão moral, ela não terá muita eficácia em nós. Não. Temos de "digerir" a Palavra de Deus, para que se incorpore ao nosso ser da mesma forma que o alimento.

O cristão que tem fome, recebe-a como a um alimento. Se a recebermos com fé, ela se torna nossa vida. Deus declara que sua Palavra pode suster nossa vida. Quando não temos o alimento natural, podemos crer no que Deus diz acerca de sua Palavra. Assim, nós o conheceremos, não apenas como vida para o nosso espírito, mas também para o corpo. Os cristãos de hoje perdem muito, por não reconhecerem a abundância de provisões que Deus tem para o nosso corpo. Achamos que as promessas de Deus se limitam ao espírito (interior), ignorando o fato de que elas se aplicam também à carne (exterior). Será que ainda não compreendemos que nossas necessidades físicas não são inferiores às espirituais?

Deus não quer que seus filhos sejam fracos.
Sua vontade expressa é que eles sejam robustos e sadios. Sua Palavra afirma: "... e, como os teus dias, durará a tua paz" (Dt 33.25). Naturalmente, isso se aplica ao corpo. Enquanto vivermos na Terra, o Senhor promete dar-nos força. Se Deus nos der um dia a mais de vida, providenciará também o vigor extra para aquele dia. Como seus filhos não reivindicam, pela fé, essa preciosa promessa, acabam descobrindo que sua vitalidade não corresponde aos seus dias aqui neste mundo. Deus promete tornar-se a força de seus filhos, a fim de dar-lhes a energia de que precisam no tempo de vida que ele lhes concede. Assim como o Senhor vive e nós também vivemos, dessa maneira será a nossa força. Crendo nas promessas divinas, a cada manhã, quando nos levantarmos e contemplarmos o amanhecer, poderemos afirmar que, assim como Deus vive, nós também receberemos capacitação, tanto física como espiritual, para aquele dia.

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

CONVITE ESPECIAL


AGORA É VOCÊ E DEUS
Como pode a oração produzir resultados extraordinários, se é ela, em si mesma, de tão pouco valor?

As mentes superficiais consideram que a oração pode parecer inteiramente sem necessidade. Outro grupo de pessoas insiste, que se tivermos fé seremos capazes de mover montanhas. Tudo, pois, depende da fé. Nossas orações produzem resultados quanto temos suficiente fé. Se, porém, tivermos fé insuficiente, nossas orações perdem a eficiência. Sim, algumas pessoas consideram que tudo parece assim tão simples.

Pessoas cuja experiência no feliz reino da oração é mais ampla não aceitarão tais afirmações. Sabemos que, grandes e maravilhosas respostas às orações são obtidas, às vezes, após haver alguém orado com grande fé.

Mas, as coisas não acontecem sempre desta maneira. Pelo contrário, muitos são aqueles que tiveram respostas importantes à oração, mesmo quando não tinham nenhuma certeza que seriam ouvidos por Deus, antes de orar, enquanto oravam, ou após orarem.

Tiveram a experiência de receber as mais ousadas e inconfundíveis respostas à oração em ocasiões quando não tiveram fé nenhuma. Coisas que não aparecem nos jornais, na TV e na internet, mas são fatos admiráveis que acontecem em silêncio no círculo familiar dos humildes amigos do Senhor!

Pessoas que tiveram experiências dessa natureza em oração se encontram, às vezes, atordoadas e perguntam: “Como pode a oração produzir resultados tão maravilhosos, se é tão insignificante em si mesma?”

A solução do problema reside na própria natureza da oração. Orar é simplesmente dar acesso a Jesus no coração, deixá-Lo entrar, como todo o Seu Poder, em contato com as nossas necessidades. Tendo isto em mente, é evidente que a eficiência da oração não depende do grau de certeza de quem ora. Nem de seu fervor, nem de coisa nenhuma, senão disto apenas: abrir o coração a Jesus.

Isto não é questão de poder, mas de querer. Estou querendo que Jesus se ponha em contato com a minha necessidade? Isto, por sua vez, depende de quão insuficiente, sem recursos me sinto. A oração é um instrumento misterioso e, em última análise, só o podem utilizar com pleno efeito e perfeito êxito aqueles que reconhecem a própria insuficiência.

Vamos usar uma ilustração caseira, podemos comparar a oração a uma instalação elétrica de uma casa. A energia que é gerada na usina está pronta para ser utilizada, mas é necessário fazer a ligação. Para isso precisa do interruptor. Tudo que se faz necessário é um ligeiro toque e a corrente passa pela casa toda. E sabemos, que não é preciso muita força para mover o interruptor.

Quando o homem caiu em pecado não somente o espírito se desligou de Deus, como toda a instalação foi destruída. Para recuperá-la, teve Jesus de sofrer e morrer. Agora, a instalação está novamente em ordem. Podemos todos restabelecer contato com as forças do mundo celestial e delas nos utilizar.

A oração é este pequenino e misterioso instrumento pelo qual se estabelece o contato, desta maneira os poderes da salvação e da cura chegam até a nossa alma e corpo, e, através de nós, à alma e corpo de outras pessoas, tanto quanto permitirem o nosso cuidado.

Eis aí o grande privilégio que temos ao nosso alcance, não dá para não usar meu amigo!

Experimente ao menos, se não funcionar com você, deixe de lado e continue a viver da mesma maneira.

Mas nós que por amor e misericórdia, fazemos parte da Família do Senhor, tendo Deus como Pai, Jesus como Nosso Irmão e o Espírito Santo como Nosso Ajudador, esperamos que você viesse fazer parte também.

Lembre-se orar é como respirar.

Peça a Deus tudo o que for necessário para a sua vida.
Como uma verdadeira mãe dedica a vida ao cuidado dos filhos, assim em Sua infinita misericórdia, o eterno Deus Se consagra, eternamente, ao cuidado de nós, Seus filhos, tão frágeis e sujeito ao erro. Dessa maneira age Deus para com todos nós. Creia nisso, meu amigo.
Também para com você, meu leitor que ainda não é um convertido. É bem possível que pense que Deus não o ama. Às vezes pensa que Deus não lhe dá a mínima atenção. Em outras ocasiões, ainda, se sentirá como se Deus o estivesse a perseguir em vingança e retaliação, acabando com todos os seus planos e destruindo a sua felicidade.

Escute e direi a você quem é Deus.

“Porque ele faz com que o sol brilhe sobre os bons e sobre os maus e dá chuvas tanto para os que fazem o bem como para os que fazem o mal”.

Jesus Cristo consagrou Sua inspiração final e Seus últimos instantes à oração em favor de Seus inimigos. “Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que estão fazendo”. Quando retornava Jesus pela última vez a Jerusalém, não restando mais meios pelos quais poderia livrar a rebelde cidade, deteve-se no Monte das Oliveiras e chorou pela cidade. Seu olho profético já avistava a imensa tragédia que desabaria sobre ela e de que não haveria de escapar.

Tal é Deus. Ama os inimigos.

Quando Ele vê a infelicidade das pessoas, suas alegrias vãs e suas tristezas reais, seus desapontamentos, seus sofrimentos, suas ansiedades, e tudo mais que fazem parte da vida real, Ele fica esperando por você. Se apenas olhar para Ele, secretamente em seu coração, Ele escuta o seu clamor e Se inclina para você a fim de ajudar.
 
O indivíduo não convertido aceita esse auxílio quando diz respeito a esta vida. Mas, assim que Deus lhe oferece ajuda em questões espirituais, a pessoa se afasta e, às vezes, foge de Deus. Recusa converter-se.



E com você, o que acontece?

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

QUERO PAZ!


Certo irmão defrontou-se com grande dificuldade. Parecia não haver saída para ele. Nesse momento ele lembrou-se destes versos: alegrai-vos sempre no Senhor (...) Não andeis ansiosos de coisa alguma (...) E a paz de Deus, que excede todo entendimento humano, guardará seus corações e mentes em Cristo Jesus.

Ele então separou um tempo para orar. Orou mais de dez vezes e ainda assim não tinha paz. Então começou a imaginar: “Será que esses versos podem somente ser pregados e não praticados?”

 Nesse momento Deus lhe disse: “Eu determinei: não ande ansioso de coisa alguma e terá paz. Você agora está dizendo que não tem paz!” Por causa disso ele saltou e disse: “Ó Deus, já que Tu dizes que eu tenho paz, terei paz. Nada mais tenho a dizer”.
Ele creu na Palavra de Deus e imediatamente teve paz.

Se crermos na Palavra de Deus, teremos paz; se não crermos, não teremos paz. Se você espera ter paz antes de crer, então não há possibilidade de tê-la. Hoje, se há qualquer dificuldade e qualquer dor que não consegue suportar, você pode dizer a Deus: “Ó Deus, confio isto às Tuas mãos”. Você então terá paz. “Alegrem-se sempre no Senhor” e “não andem ansiosos de coisa alguma” são as Suas ordens; “a paz de Deus guardará seus corações e as suas mentes” é a Sua promessa. Se você obedecer à Sua ordem, Ele cumprirá a promessa.
Fonte: Em Tudo, uma Lição – Editora Árvore da Vida

VENCENDO A MORTE!


Meus amigos, li este texto quando enfrentava uma situação familiar muito difícil, e, foi possível, passar pelo vale da sombra da morte, recebendo revelação de Deus. Tenho uma grande responsabilidade em apresentar mais uma mensagem do nosso irmão Watchamn Nee, extraída do livro O Homem Espiritual, para os filhos de Deus. Experimentei de maneira muito prática, o conteúdo do que se encontra escrito aqui. Creio que muitos Filhos de Deus nesta Terra, estão também enfrentando fortes ataques de Satanás.

Leia esta mensagem e tome para você estas palavras de maneira prática, não somente como teoria, pois, é urgentíssimo que tomemos a posição correta nestes dias do fim.

Se for possível passe para outros esta mensagem, a minha oração é que este Blog seja UMA VOZ QUE CLAMA NO DESERTO, preparando o caminho para o Arrebatamento dos Vencedores e anunciando a Volta do Nosso Senhor Jesus, para que a Vitória Final seja alcançada.

Assim, quando este corpo mortal se vestir com o que é imortal, quando este corpo que morre se vestir com o que não pode morrer, então acontecerá o que as Escrituras Sagradas dizem: “A morte está destruída! A vitória é completa!”

A VINDA DO SENHOR ESTÁ PRÓXIMA
Por que, então, temos de morrer primeiro, para depois esperar a ressurreição? Por que não esperar que o Senhor venha  e  nos  arrebate,  para  sermos  totalmente libertos do poder da morte?

O Senhor promete ser ressurreição para muitos, e também vida para alguns. Embora seja maravilhoso experimentar a ressurreição dos mortos, como Lázaro, essa não é, de modo nenhum, a única maneira de vencer a morte. O Senhor tem outro método: Nunca morrerá.

É verdade que  temos de  andar  pelo  vale  da  sombra  da morte, mas Deus  ergueu  uma  ponte flutuante  para  nós,  permitindo-nos  ir  direto  para  o  céu.  Essa  ponte flutuante é o arrebatamento.

O tempo do arrebatamento se aproxima.  Se alguém deseja ser arrebatado, deve aprender a vencer a morte no presente.  Antes do arrebatamento, o último inimigo deve ser derrotado. Na cruz, o Senhor Jesus venceu totalmente esse inimigo.  Hoje Deus quer que sua igreja experimente essa vitória de Cristo. 

Todos nós sentimos que estamos vivendo no tempo do fim.  O Espírito Santo atualmente está nos inspirando a travar a última batalha com a morte, antes que venha o arrebatamento.
Satanás reconhece que seus dias estão contados, e por isso emprega toda a sua força para impedir que os cristãos sejam arrebatados. 

Isso explica, em parte, por que os filhos de Deus hoje estão sendo atacados no corpo de forma tão feroz. Como esses ataques físicos são muito sérios, os crentes parecem perceber em si mesmos o odor da morte.  Com isso, abandonam qualquer esperança de serem arrebatados. Não têm idéia de que isso nada mais é que um desafio do inimigo, visando a impedir sua ascensão.  Se, no entanto, perceberem que estão a caminho do arrebatamento, naturalmente terá um espírito combativo contra a morte. E que sentirão no espírito que a morte é um obstáculo ao arrebatamento, e que eles devem derrotá-la.

O diabo é assassino (Jo 8.44). O propósito da obra de Satanás contra os crentes é matá-los. Ele tem uma tática especial para os últimos dias: magoar os cristãos (Dn 7.25).

Se ele puder comunicar-nos mais ansiedade ao espírito, produzir qualquer intranqüilidade em nossa mente, levar-nos a perder o sono por uma noite, ou a comer menos num dia e trabalhar excessivamente em outro, isso mostra que ele já penetrou em nós com seu poder de morte.

Somente um pingo d'água não pode fazer nada, mas o pingar contínuo com certeza pode abrir um buraco numa pedra. Satanás acha-se familiarizado com essa verdade, e por isso provoca uma preocupação pequena aqui, um pouco de ansiedade ali, uma negligência acolá, sempre com o propósito de literalmente "magoar" ou destruir os cristãos. Algumas vezes, o diabo ataca os crentes, causando-lhes a morte. Muitas mortes são resultado de ataques desse tipo, embora poucos reconheçam esse fato. Às vezes os vêem apenas como um resfriado, uma insolação, insônia, exaustão ou perda de apetite. Às vezes, pensam que é a impureza, a raiva, o ciúme ou a sensualidade.  Quando os cristãos não percebem que o que está por trás desses acontecimentos é o poder da morte, ficam com sua vitória plena ameaçada.

Se os reconhecessem como ataques da morte e aprendessem a resistir, triunfariam. Muitas vezes eles atribuem tais problemas à idade ou a outros fatores, deixando de entender o real significado de tudo que está acontecendo.

O Senhor Jesus voltará em breve.  

Por isso, devemos empreender uma guerra total contra a morte. Da mesma maneira que lutamos contra o pecado, o mundo e Satanás, precisamos resistir  à  morte.  Não nos limitemos a pedir a vitória; vamos também nos apropriar dela. Temos de tomar posse do triunfo de Cristo sobre a morte, em toda a sua plenitude. Se fizéssemos uma revisão da nossa vida até aqui, examinando-a com o conhecimento que Deus tem dela, descobriríamos que muitas vezes fomos assaltados pela morte sem que o soubéssemos. Inúmeras vezes atribuímos os eventos de nossa vida a outras causas, perdendo, assim, a oportunidade de exercitar a capacidade de resistir à morte. Se tivéssemos reconhecido que certos acontecimentos eram ataques desta, Deus nos teria fortalecido para que hoje experimentássemos a vitória sobre esse inimigo.

Nesse caso, nossa experiência teria sido como passar  sobre  pontes quebradas  e  estradas  interrompidas.  É que todas as circunstâncias pareciam  exigir  nossa morte,  e  ainda  assim  não podemos morrer. Mais de uma vez, chegamos a desesperar da vida, contudo não podemos morrer. Perguntamos  então  a  nós  mesmos  por  que  temos  de  morrer  agora,  pois embora  a  batalha  se  torne  renhida, muito forte,  não  é  nossa  vontade  partir.  Em  vez disso, parece que clamamos:

"Não quero morrer!"

Qual é o significado dessa experiência? Simplesmente que Deus está nos levando a travar uma última batalha contra a morte, antes de sermos arrebatados.  Tais ataques têm apenas um propósito: frustrar nosso arrebatamento.

Armados da vitória de Cristo, devemos  fechar com  toda  firmeza as portas do Hades, que se acham escancaradas. Temos de  resistir à morte, proibindo  qualquer  invasão  dela  em  nosso  corpo.  Precisamos  resistir  a tudo que possa significar uma tendência para a morte. Devemos encarar a doença, as fraquezas e o sofrimento com essa atitude. Às vezes, a morte já está  operando  no  corpo,  embora  ele possa  não  estar  consciente  disso. A ansiedade  de  espírito  ou  a  tristeza  de  alma  também  podem  produzir  a morte. No momento, Deus  está nos  chamando  ao  arrebatamento.

Então, devemos subjugar qualquer evento que possa impedir que ele aconteça. Deus  submete  seus  filhos  a  várias  situações  que  os  impelem  a entregar a vida totalmente na mão do Senhor, como que por um fio de fé. Deixá-la na mão dele é sua única esperança de sobrevivência. E durante todo o tempo é como se esses cristãos estivessem clamando:
"Senhor, deixa-me viver!"
Nossa batalha hoje é a batalha pela vida.

Em  toda  parte,    espíritos  malignos  e  assassinos  agindo.  Se os crentes  não  resistirem  e  orarem,  serão  derrotados. Se continuarem passivos, inevitavelmente morrerão. Alguém talvez ore assim: "Senhor, permite-me vencer a morte."
E Deus responderá:
"Se você resistir à morte, permitirei que a vença!"

Se  nossa  vontade  estiver  passiva,  tal  oração  será  inútil.   

Devemos dizer: "Senhor, por causa da tua vitória sobre a morte, agora resisto a todos os ataques dela. Estou determinado a vencer a morte agora. Senhor, torna-me vitorioso." O  Senhor  nos  capacitará  a  vencer  a morte.  Portanto  devemos  nos apossar das promessas de Deus, pedindo-lhe a vida, e confiando que nada nos poderá causar dano. Não devemos nos render diante do poder da morte, senão  ela  nos  atingirá.  É  possível  até  que  nos  encontremos  num  lugar altamente contaminado, mas poderemos resistir a essas enfermidades, não permitindo que nenhuma delas nos ataque. Não devemos permitir que a morte nos atinja por meio da enfermidade.

Não podemos mais aguardar a volta do Senhor passivamente, conformando-nos com a idéia de que, de qualquer maneira, seremos todos arrebatados. Precisamos estar preparados. Como em  tudo mais, é preciso que  a  igreja  opere  em  harmonia  com  Deus  também  na  questão  do  arrebatamento. A    nunca  deixa  os  acontecimentos  ocorrerem  de  acordo com  a  lei  do  menor  esforço.  Cada  um  de  nós  deve  resistir  à  morte individualmente.

Devemos também ansiar pelo arrebatamento, de todo o coração. É necessário  exercitar  a  fé, mas  isso não  significa que podemos abandonar passivamente nossas responsabilidades. De que nos adiantará crer,  apenas  com  o  intelecto,  que  podemos  escapar  da  morte  se continuarmos a submeter-nos passivamente ao poder dela?

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

COMO RESOLVER OS PROBLEMAS!

QUANDO NOS ENCONTRAMOS COM PROBLEMAS

Meu amigo, você disse que em assuntos espirituais sentia-se freqüentemente murcho e muitas vezes seco. Espero que de hoje em diante você desconsidere esses sentimentos. Esteja ou não sentindo-se murcho, desconsidere-o. Simplesmente entregue-se nas mãos do Senhor e creia que Ele é capaz de cuidar de você, e Ele espontaneamente ira restaurar você.

Há muitos problemas que não podemos vencer por nós mesmos. Entretanto, quando contemplamos o Senhor e nos aproximamos Dele, os problemas desaparecem.

Considere a seguinte ilustração: Um dia, quando uma centopéia estava para andar , ela examinou suas pernas para decidir qual deveria mover-se primeiro. Deveria uma perna esquerda ou uma direita mover-se primeiro? Seria a oitava ou a décima perna? A centopéia ficou ali parada tentando tomar uma decisão. O problema da mente tornou-se um problema da prática.

Por fim, veio o sol. Sem pensar, a centopéia correu para ver o nascer do sol, sem considerar qual perna deveria mover primeiro. Ela se esqueceu de como andar e simplesmente andou. Quando se foi o problema da mente, o problema da prática também desapareceu.

Quanto mais tentar tratar com sua solidão, depressão e frouxidão interior, mais você será incapaz de vencê-las. Essas coisas tornam-se um problema porque você faz delas um problema. Se esquecê-las e deixá-las ir, elas desaparecerão.

Às vezes, vencemos um problema combatendo-o, outras vezes o vencemos esquecendo-o. Muitas coisas podem ser superadas, mas outras, esquecendo-as, o problema é resolvido. Glorie-se nas suas fraquezas e abandone seus esforços e métodos; então o Poder de Deus irá alcançar você.

Este é o segredo: peça a Deus que lhe dê um vislumbre de Suas riquezas e da Sua Glória mediante sua leitura da Bíblia, oração, participação nas Reuniões ou na comunhão com os irmãos.

Espontaneamente, você esquecerá as outras coisas. O encher interior vem pelo esquecer, e o esquecer, por tocar o Senhor. Uma vez que toca o Espírito Santo, você não olha para si mesmo.

Senhor Jesus, isto é uma realidade e um exercício espiritual, que todos nós podemos fazer. Podemos, dia a dia, ser salvos de qualquer situação que nos encontramos, simplesmente, colocando nas mãos poderosas do Nosso Pai, o Deus Todo Poderoso, sentimos também, o consolo do Espírito Santo e somos fortalecidos. Falando para nós mesmos que somos mais do que vencedores, em tudo, pelo sangue Jesus.
Senhor Jesus ilumina a nossa mente e refrigera a minha alma.

QUANDO NOS ENCONTRAMOS COM PROBLEMAS não há conselho melhor do que o mandamento divino: "Buscai a minha presença."

Esta ordem significa: "Busquem a mim; em mim está o conforto, a proteção, a orientação e a segurança de que precisam." Quando mais buscamos a face de Deus, tanto mais podemos enfrentar os problemas! Em sua presença recebemos amor e aceitação. Auto-estima nova e adequada começa a crescer. Vem a nós a compreensão que pertencemos ao Senhor e não aos problemas. Isso nos acalma os nervos de modo que podemos ver os problemas passageiros à luz do que realmente são.

De modo que quando nós, ou as pessoas ao nosso redor, encontramo-nos profundamente envolvidos nas dificuldades, o primeiro passo é buscar a face do Senhor, passar tempo em oração diária - não apenas falando, mas também ouvindo sua voz.

Neste relacionamento com o Espírito Santo, Ele nos fala do seu amor e cuidado com a nossa vida.


sábado, 18 de dezembro de 2010

TESOURO EM VASOS DE BARRO


TEMOS, PORÉM, ESTE TESOURO EM VASOS DE BARRO
É possível que esta seja a afirmativa mais clara que há sobre a natureza do cristianismo prático. O cristianismo não é o vaso de barro (a vida humana com todas as fraquezas), nem é o tesouro (A VIDA DE DEUS), MAS É O TESOURO NO VASO DE BARRO.
1.       Todas as pessoas, quer cristãs ou não, têm seu conceito de uma pessoa ideal. Todos nós temos as nossas idéias do que seja um bom homem. Pensamos que se uma pessoa fizer assim e assado, ou comportar-se de um modo específico, ou se for de um determinado tipo, essa pessoa é boa.

2.       Cada um de nós tem um padrão estabelecido em nossa mente, e se um homem corresponder a esse padrão, nós o consideramos um “bom” homem.

Antes de sermos salvos, tínhamos um determinado padrão, mas, sem dúvida, depois de nossa salvação passamos a ver que muitos daqueles a quem antes admirávamos não deviam de fato ser admirados. Nós os julgamos agora de acordo com nossa luz recém-encontrada, e vemos que eles não estão muito bem. Nossa escala de medida mudou.
                Até tínhamos nossas idéias sobre Cristo. Antes de sermos salvos, tínhamos certas opiniões a respeito Dele, mas depois de nossa salvação todas essas opiniões ficaram diferentes, uma vez que o Espírito Santo abriu nossos olhos para algo de Sua verdadeira natureza. Conseqüentemente, agora temos um novo padrão de vida cristã e fazemos dele, por um lado, o objetivo que tentamos alcançar e, por outro, a medida pela qual julgamos os outros.
Até aqui tudo bem, mas depois de dito tudo isso, quero lembrá-lo que os pensamentos de Deus quanto ao que constitui um verdadeiro cristão, muito mais do que os nossos, levam outras coisas em consideração, e que, Ele pode ainda exigir que ajustemos nossos pensamentos com relação a nós mesmos e aos outros.
           
            Qual é a nossa idéia de santidade, ser santo?
Prontamente pensamos em santidade como a ausência de erros, pecados, fraqueza e falhas, ou seja, a ausência de um vaso de barro. Imaginamos que se atingirmos um estágio onde nós mesmos poderemos ter controle de nossos sentimentos, vontade e pensamentos a ponto de quase não haver mais marca deles, então alcançamos a santidade.

Achamos que:
i)                    A repressão (algema) de nossos sentimentos
ii)                   Sermos insensíveis ao sofrimento (próprio e do semelhante)
iii)                 Não sermos afetados por relacionamentos naturais
É uma prova de espiritualidade.
Na verdade, pensamos que ser espiritual é deixar de ser humano, e muitos de nós estamos ocupados tentando cobrir o vaso de barro com a falsa idéia de que, se ele não puder mais ser visto, isto é santidade.
           Você pode facilmente dizer quando uma pessoa está fazendo isso, pois ela fica muito artificial. Ela não se atreve, ousa a se soltar. Não se atreve a falar ou agir com liberdade, para que o vaso de barro não apareça. Porém, um homem assim não sabe o que é o verdadeiro cristianismo. Ele é artificial, fingido, e usa sua artificialidade para esconder sua verdadeira condição. Ele se educa a si mesmo para que o vaso não apareça.
                Quando eu me converti, também tinha minha própria idéia do que era um cristão, e tentei ao máximo ser esse tipo de cristão. Eu pensava que se atingisse o padrão que havia imaginado, teria atingido meu objetivo. Ser um verdadeiro cristão era minha sincera ambição, mas, sem dúvida, eu tinha minha própria mentalidade quanto ao que isso significava.
·         Eu pensava que um verdadeiro cristão deveria sorrir de manhã até a noite! Para mim, toda vez que ele derramava uma lágrima, deixava de ser vitorioso.
·         Eu pensava, também, que um verdadeiro cristão deveria ser uma pessoa infalivelmente corajosa. Se, sob qualquer circunstância, ele mostrasse o menor sinal de medo, eu achava que ele havia fracassado seriamente, que lhe faltava a fé para confiar no Senhor. Ele de fato não havia correspondido ao meu padrão.
                 
Eu defendia estas idéias claramente definidas quanto ao que um cristão deveria ser até que, um dia, li 2 Coríntios:
i)cheguei à passagem em que o Apóstolo Paulo disse que estava triste. Entristecidos (2Cor 6:10), li e fui pego. Paulo entristecido, pensei.
ii)Então li que ele derramou “muitas lágrimas” (2Cor 2:4) e me perguntei: Será que aquele Paulo realmente chorou?”.
iii)Li que ele ficou “indeciso” (2Cor 4:8) e pensei: “Paulo ficou realmente indeciso?”.
iv)E li o seguinte: “A natureza da dificuldade foi acima das nossas forças, a ponto de desesperamos até da própria vida” (2Cor 1:8); e me perguntei, surpreso: “Será possível que Paulo até se desesperou?”.
                 
Jamais havia me ocorrido que uma pessoa como Paulo pudesse ter tais experiências, mas, à medida que continuei a ler, aos poucos despertei para o fato de que os Cristãos não fazem parte de outra ordem de seres angelicais, incapazes de ter sentimentos humanos, e vi que, no final das contas, Paulo não estava distante de nós. Na realidade, descobri que Paulo era um homem.
                Inúmeras pessoas têm suas próprias definições de um cristão, mas esses conceitos são unilaterais, pois não passam de uma criação da mente humana; não são pensamentos de Deus. Em Paulo encontro “este tesouro”, mas, louvado seja Deus, também encontro “um vaso de barro”! E isso, repito, é a característica particular do cristianismo, que “temos este tesouro em vaso de barro”. Aqui está um homem que:
                 tem medo e, não obstante, é determinado;
                ele se vê cercado por inimigos e, não obstante, não se sente acuado;
                parece que será derrotado e, apesar disto, não é destruído.
                Está claro o suficiente que ele é fraco e, contudo, ele declara que quando está fraco é que ele está forte.
Pode-se ver que ele carrega em seu corpo a morte de Jesus e, não obstante, ele considera isto como a base para a manifestação da vida de Jesus em seu corpo mortal. Porque as aparências não constituem toda a história. Por trás do próprio homem, e desmentindo essas aparências, há a excelência do poder que é de Deus.
Os homens podem vê-lo até como:
enganador,
como desconhecido,
como entristecido,
 como pobre, nada tendo” – e apesar de tudo isso, Deus sustentará sua ousada afirmação: “... sendo verdadeiro, bem conhecido, sempre alegre, enriquecendo a muitos, possuindo tudo: Assim é que vivemos. (2Cor 6:8-10)

Você já começou a entender o que significa ser um cristão?
Ser um cristão é ser uma pessoa em quem existem duas vidas: O que herdamos em Cristo é algo muito mais excelente. Além da vida humana, temos uma nova vida adicional, uma vida da parte de Deus, que é o próprio Filho de Deus. E isso é vida eterna.

 Nesta pessoa o poder de Deus a mantém. Algumas pessoas consideram o cristianismo como sendo o tesouro somente, (a vida eterna de Deus e o poder desta vida, Jesus Homem), mas não consideram o vaso que contém esta vida (nossa fraca natureza humana). Alguns julgam que se, por vezes, o vaso de barro é visível em um servo de Deus, elas acham que esse servo é um caso perdido, enquanto o conceito de Deus é que, nesse mesmo vaso, Seu tesouro é encontrado.
              
                 Neste ponto devemos fazer uma cuidadosa distinção entre:
                    homem
                   “a carne” no homem
                    entre a limitação que é inerente em nosso ser humano
                 e a natureza carnal do homem com sua entranhada tendência para pecar, uma tendência que nos deixa (à parte da ajuda do Espírito Santo) totalmente impossibilitados de agradar a Deus.

Essa distinção é mais importante por causa da facilidade com que, mesmo em um filho de Deus, alguém influencia o outro, e com que a natureza humana em nós cede à natureza carnal.
                Que fique bem claro, portanto, que eu definitivamente não tenho a intenção de justificar ou fechar os olhos para o pecado. A carne deve ser resistida e entregue à morte – a morte da cruz. No entanto, a fraqueza, neste outro sentido, deve permanecer. Nosso bendito Senhor foi, por nossa causa, “crucificado em fraqueza”, contudo vive pelo poder de Deus (2 Cor 13:4); e, quanto a nós, é em nossa fraqueza que Seu poder se aperfeiçoa. Há, portanto, uma “enfermidade” na qual é possível gloriar-se (2Cor 12:9).
                 
Assim Paulo diz-nos que tinha um espinho na carne. O que era eu não sei, mas sei que esse espinho o enfraquecia muito, e que, por três vezes, ele orou para que o espinho fosse tirado. No entanto, em resposta, Deus apenas lhe assegurou: “A minha graça te basta” (2Cor 12:9). Somente isso – mas isso é suficiente.
           Como o poder do Senhor Jesus pode ser manifestado com perfeição em um homem fraco? Pelo cristianismo, pois o cristianismo é isso. O cristianismo não é a retirada da fraqueza, nem é somente a manifestação do poder divino. É a manifestação do poder divino na presença da fraqueza humana. Sejamos claro neste ponto.
O que o Senhor está fazendo não é algo meramente negativo – ou seja, eliminar a nossa enfermidade. Nem, quanto a isso, é meramente positivo – conceder força em qualquer situação, ao acaso, sem fundamento. Não, Ele nos deixa com a enfermidade da fraqueza e concede força ali. Ele está concedendo Sua força aos homens, mas essa força é manifestada na fraqueza humana. Todo o tesouro que Ele dá é colocado em vasos de barro.
FÉ QUANDO HÁ DÚVIDA
O que acabamos de dizer é uma impressionante verdade sobre a fé. Inúmeras pessoas vieram a mim e contaram seus temores e preocupações mesmo enquanto buscavam confiar no Senhor. Faziam seus pedidos, tomavam posse das promessas de Deus e, não obstante, sempre surgiam dúvidas inesperadas.
Deixe-me dizer-lhe que o tesouro da verdadeira fé aparece em um vaso que pode ser dolorosamente atacado pela dúvida, e o vaso de barro, por causa da presença da dúvida, não invalida o tesouro; pelo contrário, o tesouro neste ambiente resplandece com uma beleza maior. Não me entenda mal: não estou incentivando a dúvida.
A dúvida é uma marca de deficiência em um cristão, mas eu gostaria de deixar claro que o cristianismo não é só uma questão de fé, mas da fé que triunfa na presença da dúvida.
               
 Gosto de lembrar da oração da igreja primitiva para que Pedro fosse liberto das mãos dos incrédulos. Quando Pedro saiu da prisão e bateu à porta da casa onde a igreja estava reunida em oração, os cristãos exclamaram: “É o seu anjo” (At 12:15). Você vê? Havia fé ali, a verdadeira fé, o tipo de fé que poderia trazer uma resposta de Deus; e, apesar disso, ainda havia a fraqueza do homem, e a dúvida estava bem ali perto. Porém, hoje a fé que muitas pessoas que fazem parte do povo de Deus declaram exercer é maior do que a exercida pelos cristãos reunidos na casa de Maria. E elas têm certeza disto! Estão certas de que Deus enviará um anjo, e que todas as portas da prisão se abrirão diante delas. Se uma rajada de vento soprar: “Há um Pedro batendo na porta!”. Se a chuva começar a cair: “Há um Pedro batendo na porta de novo!”.
                Essas pessoas são muito crentes, muito confiantes. Sua fé não é necessariamente um objeto genuíno. Até no cristão mais consagrado, o vaso de barro sempre está ali, e, pelo menos para ele, está sempre em evidência, embora o fator determinante nunca seja o vaso, mas o tesouro dentro dele.
Na vida de um cristão normal, só quando a fé aumenta positivamente de modo a agarrar-se a Deus é que pode surgir ao mesmo tempo uma situação interessante.
Quando ele está mais forte no Senhor, muitas vezes está consciente da sua incapacidade;
Quando ele está mais corajoso, talvez seja mais ciente do temor no íntimo;
E quando está mais alegre, uma sensação de angústia prontamente lhe sobrevém 
Isto é uma evidência tanto de que há um tesouro como de que é no vaso de barro que Deus gostaria que ele tivesse.
                Deveria ser um motivo de grande gratidão a Deus o fato de que nenhuma fraqueza humana pode limitar o poder de Deus.
Somos inclinados a pensar:
Que onde há tristeza não pode haver alegria;
Que onde há lágrimas não pode haver louvor;
Que onde a fraqueza é visível falta poder;
Que quando estamos cercados por inimigos seremos limitados;
Que onde há dúvida não pode haver fé.
Entretanto, deixe-me declarar com força e com confiança que Deus está procurando levar-nos ao ponto de que tudo o que é humano só tenha um objetivo – prover um vaso de barro para conter o tesouro divino.
Daqui para frente, quando estivermos conscientes da depressão, que não entreguemos a essa depressão, mas nos entreguemos ao Senhor; quando a dúvida ou o temor surgir em nosso coração, que não nos entreguemos a eles, mas ao Senhor, e o tesouro resplandecerá ainda mais gloriosamente, por causa do vaso de barro.
                Qual é o tesouro que temos falado?
É a vida do Senhor Jesus transmitida a nós pelo Espírito Santo – a triunfante vida Daquele que “chorou” e “agitou-se no espírito”, que “arrancou do íntimo do seu espírito um gemido”.
João 11: 33 Ao ver chorando Maria e os judeus que a acompanhavam, Jesus agitou-se no espírito e perturbou-se.
35 Jesus chorou.
38 Jesus, outra vez profundamente comovido, foi até o sepulcro. Era uma gruta com uma pedra colocada à entrada.
João 12:27 “Agora meu coração está perturbado, e o que direi? Pai, salva-me desta hora? Não; eu vim exatamente para isto, para esta hora.
João 13: 21 Depois de dizer isso, Jesus perturbou-se em espírito e declarou: “Digo-lhes que certamente um de vocês me trairá”.
Marcos 8: 12 Ele suspirou profundamente e disse: “Por que esta geração pede um sinal miraculoso? Eu lhes afirmo que nenhum sinal lhe será dado”.
Mateus 26: 37 Levando consigo Pedro e os dois filhos de Zebedeu, começou a entristecer-se e a angustiar-se.
38 Disse-lhes então: “A minha alma está profundamente triste, numa tristeza mortal. Fiquem aqui e vigiem comigo”.
Pelo contrário, o tesouro neste ambiente resplandece com uma beleza maior
Nos Estados Unidos havia um homem que exercia o cargo de presidente de uma escola bíblica. Ele havia conseguido superar muitas coisas na vida, mas era incapaz de vencer quatro ou cinco pecados que cometia repetidas vezes. Ele confessou que sua existência era uma história de contínua confissão. Um dia, este homem leu Romanos 6.14: "Porque o pecado não terá domínio sobre vós; pois não estais debaixo da lei e sim da graça."
Após ler o versículo, fez a seguinte oração: "A Tua Palavra diz que o pecado não terá domínio sobre mim, mas minha situação comprova que o pecado tem tido domínio sobre minha vida. Porém, eu creio, hoje, em Tua Palavra e, assim, declaro que já venci meu pecado." A partir de então, quando uma das mesmas tentações cruzava seu caminho, ele ainda caía, se olhava para si mesmo. Todavia, sempre que confiava na Palavra de Deus e dizia ao Senhor que Sua Palavra não poderia ser falsa, ele experimentava a vitória. Foi assim que este homem teve uma vida vitoriosa. Eis a coisa mais importante que você deve guardar: a Palavra de Deus. Se você olhar para si mesmo, será tão corrupto como era antes. Se você olhar para o ambiente em que vive, a vida e a convivência serão tão difíceis como sempre foram. Contudo, se você crer na Palavra de Deus, conseguirá vencer.
Havia uma mulher muitíssimo fraca fisicamente. Ela era mãe de um rapaz de 16 anos cruel e incontrolável. Um dia, ela orou a Deus: "Não posso suportar mais essa carga tão pesada. Por favor, concede-me uma promessa." Então, esta mulher recebeu o que havia pedido em Filipenses 4:6,7: "Não andem ansiosos por coisa alguma, mas em tudo, pela oração e súplicas, e com ação de graças, apresentem seus pedidos a Deus. E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará o coração e a mente de vocês em Cristo Jesus". Ela creu que aconteceria o que Deus tinha falado. No entanto, seu filho continuava indo de mal a pior”.
Um dia, ela subitamente foi comunicada pela polícia de que o seu filho estava no posto médico, pois havia sido atropelado por um carro. Ela foi até lá e encontrou-o sangrando. Seu marido, que também a acompanhara, desmaiou ao ver o filho todo machucado. Logo, os outros parentes chegaram. No entanto, todos tentavam imaginar por que ela continuava a sorrir em uma circunstância como aquela. Será que o coração daquela mulher era duro demais? "Não", disse ela, "pois Deus prometeu, em Sua Palavra, que me daria a paz que excede todo o entendimento. E, hoje, cruzei com esse acidente, mas recebi a paz que ultrapassa todo o entendimento. Por isso é que estou calma".
Fé é apossar-se da Palavra de Deus.
Senhor, mais uma vez, Te agradeço profundamente de todo o meu coração, por ter guardado esta mensagem do irmão Watchman Nee durante tantos anos. Quanta segurança e fé este texto traz ao meu coração e a todos que estarão lendo estas palavras espirituais.
Obrigado pelo Teu Espírito Santo que traz vida a estas palavras, porque Deus está procurando levar-nos ao ponto de que tudo o que é humano só tenha um objetivo – prover um vaso de barro para conter o tesouro divino.
Derrama o Teu Espírito Santo em todos os Teus vasos nestes dias. Em toda a terra onde tenha um vaso, que ele possa ser enchido com o Espírito Santo da promessa. Este é Teu Propósito e Vontade para os Filhos do Reino, Teus vasos de barro. Faça-nos fracos e vazios, para que possamos nos apropriar de Tão Grande Salvação, pois eu não sei porque,  coube a Deus, revelar Teu Filho Jesus a mim, pecador.
O meu coração enche da Tua Paz, e aguardo ansiosamente a Tua Volta.

Quem sou eu

São Lourenço, Minas Gerais, Brazil
EVANGELISTA QUE MORA EM SÃO LOURENÇO E TENHO A META DE DIVULGAR A LEITURA DA BIBLIA.